Nossa história


A música tem valores inquestionáveis como elemento de desenvolvimento social, econômico e cultural, de integração e educação e gerador de emprego e renda. Atualmente, o Brasil se integra na composição de um ambiente de produção musical em franco crescimento - reforçando o empreendedorismo que se destaca no setor. Diversos estilos convergem para um cenário em que músicos trocam experiências, debatem técnicas, desenvolvem e executam projetos de shows e cursos e fazem fervilhar um caldeirão de ritmos, sempre renovando e agregando ganhos que se expandem para a sociedade, em diferentes formas.

O Fórum Harmônicas Brasil surgiu em 2005, a partir de ideia do médico e gaitista cearense Diogo Farias. O jornalista e também gaitista Roberto Maciel se engajou no projeto e o evento foi ganhando as formas com que se apresentou até 2016, com shows e atividades de arte-educação. Em 2017, iniciou-se uma fase de replanejamento do Fórum, com novas definições. Hoje, o gaitista André Reis se integrou à proposta, participando com Roberto Maciel como produtor. 

Instrumento de raízes milenares, originário da China e alterado ao longo dos séculos XIX e XX no Ocidente, a harmônica - ou simplesmente gaita de boca - tem uma forte representação no Brasil. Nas décadas de 1940 e 1950, tornou-se popular no País por intermédio de nomes como Edu da Gaita, Ronald Silva, Jehovah Tavares, Rildo Hora, Clayber de Souza e Ulysses Cazallas. No Nordeste, focando nas manifestações de raiz, destacaram-se nomes como Tavares da Gaita (PE), que apenas aos 80 anos de idade lançou seu primeiro disco. Como Tavares, há um sem-número de harmonicistas criativos e competentes, vários dos quais esquecidos pela produção cultural em cidades pequenas do Interior, mas muito presentes na memória afetiva de seguidas gerações e marcadamente importantes para a preservação das raízes culturais da região. O Fórum Harmônicas, em nome de artistas tão qualificados e marcantes, se propõe a destacar a gaita como referência cultural brasileira.

GALERIA DE FOTOS

PROJETO FOMENTADO COM RECURSOS DA LEI 14.017/2020 - LEI ALDIR BLANC - POR MEIO DA SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA DE FORTALEZA